10 de out de 2013

O lado bom da vida... real


Boa quinta-feira, meus lindos! Aposto que vocês se têm perguntado por onde eu tenho andado (ou não mesmo, mas eu vou falar de qualquer jeito). Vocês sabem que eu entrei há pouco tempo para a Universidade (ou então ficaram sabendo agora, yey!), e isso nem sempre me deixa com todo o tempo ou disposição para fazer uma daquelas resenhas mega trabalhadas que vocês sabem que eu amo escrever.
E foi por essa mesma razão que eu desisiti de escrever a resenha de Jane Eyre à última da hora, e resolvi vir falar um pouco aqui sobre uma outra coisa, muito presente e real para mim nesse momento: a frustração.

Não, isso não vai ser um post sobre como minha vida privilegiada de estudante universitária é terrível e trabalhosa, okay? Eu tenho mais escrúpulos do que isso, prometo. A questão é que a universidade sempre foi uma fantasia que eu alimentei – e como todas as fantasias, ela só tinha lados positivos. Vantagens. Regalias. Bom, bom, bom. Muito previsível, não é?
Porém, logo nos primeiros dias, eu percebi que não iria ser tudo como eu queria ou imaginava. Que nem todas as pessoas teriam mentes apaixonadas pelo conhecimento, como eu. Que não amariam ler tanto quanto eu. Que nem todos os professores seriam personalidades inspiradoras e modelos fantásticos de vida. Que as matérias nem seriam tão profundamente interessantes assim. Que a maior parte dos alunos – que eu achava que seriam exatamente como eu – está um pouco mais interessada em festas do que em debater inteligentemente sobre determinados assuntos…
O que eu estou tentando dizer é que, assim que eu parei de imaginar esse tipo de vida universitária, e passei realmente a vivê-la, o idealismo da perfeição foi totalmente quebrado pela realidade. E sim, a realidade vem inevitavelmente com uma série de frustrações que eu não antecipava.
Por outro lado, são essas mesmas frustrações que distinguem a realidade da fantasia. São elas que nos tiram do mundo dos sonhos e nos colocam num lugar muito mais interessante – porque igualmente desafiante. Essa fantasia de perfeição nunca poderá ser realmente sua, num sentido de experiência e vivência, porque você não a pode conquistar; ela não lhe traz nenhum desafio. A realidade, por outro lado, surge juntamente com um sem número de problemas que exigem sua criatividade, técnica, atenção e empenho para resolver. E isso acrescenta uma nova profundidade à situação, à experiência e – sim – também a você mesmo.

O que eu quero dizer com tudo isto é: não tenha medo da frustração. Não seja uma daquelas pessoas que diz que “a dificuldade não deveria existir; a vida deveria ser perfeita”. Porque você, enquanto ser racional, só está desenvolvendo as suas capacidades quando se entrega a essa realidade exigente e desafiadora. Aí sim, você luta por alcançar algo, e isso te faz crescer. As dificuldades estimulam o crescimento inteletual e pessoal, tornando-o numa pessoa melhor, mais compreensiva, mais crescida, mais madura, mais capaz… Se formos considerar, as dificuldades podem ser mais benéficas para a sua saúde que muita medicação que por aí circula!

Receito então, para essa semana, uma boa dose de desafios e de auto-confiança e criatividade para superá-los. E um olhar positivo, que se foque sobretudo no lado bom da vida. Porque mesmo com todas as dificuldades e desafios possíveis, ele sempre está, pronto a dar oi, só esperando que você o note ;)




4 comentários:

  1. Ah, eu tbm acabei de começar a minha vida universitária. Não estava criando grandes expectativas assim não, mas já me decepcionei um pouco também. Eu não estou indo pra aula tão animada como pensei que estaria, apesar de gostar bastante do que escolhi. Os meus colegas só pensam em beber, ir pro bar depois ou até antes da aula, em falar de coisas... desnecessárias.... e os professores... meu deus, sabe aquele professor que fala, fala e não diz nada? Tem isso também. Alguns tornam as aulas chatas e lentas, outros já me deixam realmente animada pelos 4 anos e meio que ainda estão por vir. Mas a vida é assim né. A gente como seres humanos, criamos várias fantasias sobre muitas coisas e depois vem a frustração, o conformismo.. ou não! hahah

    E tudo isso é bom, porque assim a gente cresce e vê que apesar das dificuldades, se a gente realmente quiser, podemos superar isso. E como vc disse, encontrar o lado bom da vida ;)

    Beijos!

    http://agarotaeotempo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Também! Olha que legal! Que curso escolheu? :) Eu estou em Psicologia.
    Pois, eu sei exatamente do que você está falando. Isso ainda me assusta um pouco. Mas quando você conhece pessoas que têm mais a ver com você, que gostam mais das mesmas coisas que você (ou pelo menos, não gostam tanto das coisas que você não gosta), as coisas tornam-se muito mais fáceis. Tem sido assim comigo :)
    E claro que eu também tenho aulas chatas - nem me faça falar sobre isso! Mas eu sei que elas não vão durar para sempre (na verdade, são só um semestre), então não me preocupo tanto. Como tudo, você tem que estudar áreas gerais que você não gosta tanto para poder depois entender melhor sua área específica ;)
    Exatamente o que quis passar com o post!
    Obrigadíssima pelo comentário, Débora, você é um amor!!! :D <3
    Beijão!

    ResponderExcluir
  3. Ah, tô fazendo Letras. E é isso mesmo que vc disse, tem as materias chatas, mas é só um semestre né hahaha.
    Pra mim tem mais uma dificuldade porque na minha cidade não tem faculdade, então vou de van pra cidade vizinha todo dia e volto. Meu curso é a noite. Mas é só 1 horinha de viagem, então não é tão ruim assim. ;)
    hehehe
    Beijo!!
    <3

    ResponderExcluir
  4. Letras, que legal!!! Exato :) Comigo é exatamente assim, não tem faculdade aqui, tenho que viajar para o Porto, uma cidade bem maior. Pouco mais de uma hora de viagem também! Eu fico um pouco cansada com toda essa viagem, mas tem que ser, pelo menos enquanto continuar morando cá em casa ^^
    :D Obrigadão! Beijo :*

    ResponderExcluir