22 de set de 2012

Capítulo 14

A dream, a song and a fight.



Pov. Josh

— Saia... de... perto... de... mim... — Ela sussurrou, quase sem voz. Escutei, porém não a obedeci. Abaixei-me e a beijei. Tanto que fiquei sem ar.
Acordei ofegante.
Droga, a segunda noite que sonho com isso. Eu mereço mesmo.
Peguei o relógio, 5:50 da manhã. Estava muito cedo, e eu estava sem sono.
Peguei meu caderno e uma pequena caneta e comecei a escrever.

I never was too good with goodbyes

You made it easy when your glee presided
With all the evil that you've provided
You still put the "good" in "goodbye"
In goodbye, in goodbye
Stay away, stay, stay, stay away from me.

É... tava ficando bom. Quando tô inspirado as letras saem boas.
O dia já tinha clareado. Me levantei antes que Isabelle chegasse. Terminaria a música depois. O nome seria Stay Away, porque se repete várias vezes no refrão.
Eram férias de verão, mas pela escola ter entrado em greve no começo do ano, estudaríamos a semana toda. Bom, pelo menos Nate estava aqui.
Fui até o banheiro e fiz minha higiene matinal. Vesti uma calça jeans meio rasgada nos joelhos, uma camiseta de botão xadrez azul e meu all star preto. Peguei minha mochila e fui até a cozinha. Larguei ela no balcão e me sentei pra tomar meu café.
Nate, Belle e minha mãe estavam lá. Zac estava dormindo, pois na escola dele não tinha aula.
— Bom dia. — Fui até minha mãe e a beijei no rosto. Peguei a pequena Isa no colo e a abracei.
— Dormiu bem Josh? — Perguntou Belle enquanto comia cereal.
— Na verdade não... tenho tido alguns pesadelos.
— Pesadelos? — Nate.
— Sim, mas deixa pra lá. Tô melhor. — Dei um sorriso. Ninguem vai saber disso além do Zac. Já basta ele.
— Zac me contou... — Nate começou. Oh droga, vou matar aquele garoto. — ...que ele te arranjou um encontro na internet, e a menina era a Hayley. — Ele riu.
— Ele não devia ter contado isso. — Fechei a cara e passei geléia num pedaço de pão.
— Ele só queria te ajudar cara. Eu até imagino o quanto foi engraçado... — Continuou a rir.
— Por isso Jenna estava chorando ontem? — Minha mãe.
— Não. Ela não sabe, e nem vai saber. Tava chorando por que ela é uma garota mimada que tem tudo que quer. Só. — Respondi seco. — E o tal “encontro” — Fiz aspas com os dedos — foi um mal entendido. Um grande mal entendido.
Depois disso ninguém mais tocou no assunto. Exceto Zac, que acordou exclusivamente para me zoar.
Despedi-me e fui pra escola andando devagar. Green Day no fone de ouvido.

I beg to dream and differ from the hollow lies
This is the dawning of the rest of our lives
On holidaaaaaay

Cantava baixinho. Cheguei na escola e esperei um pouco na frente da escola. Van, Ryan e Tyler estavam zoando do cabelo do Taylor. Que ridículo.
— Hey, amorzinho, já ouviu falar em escova progressiva? — Ryan.
— Ou navalha? — Tyler. Eles começaram a rir.
— Cara, me deixa em paz. Eu não tô atrapalhando vocês, que droga! — Taylor disse bufando.
— Olha, ele tá ficando com raivinha, own. — Disse Van, por sua vez, chegando mais perto e arrancando a mochila de Taylor. Ele se virou e deu um soco em Van, que o fez cair pra trás. Tyler e Ryan agarraram ele e Van lhe deu um soco na barriga. Ok, já tá demais isso. Hora de eu fazer alguma coisa.
Me aproximei rapidamente em passos fortes.
— Solta ele. — Disse num pulo, ofegando de raiva.
— Olha se não é o nosso querido Josh. Qual é cara, você já fez isso com a gente, vai ficar do lado dos nerds agora?
— Vou. E você vai atravessar a cidade e ficar do lado do hospital se não soltar ele.
Eles me ignoraram e Van deu outro soco em Taylor. Raivoso eu me aproximei e o soquei no rosto, fazendo ele cair.
— Eu avisei, seu idiota. — Tyler e Ryan soltaram Taylor e vieram me bater. Chutei nas pernas, fazendo-o cair. Ryan tentou me pegar por trás, mas antes que eu me defendesse, Taylor deu uma cotovelada em suas costas, e um soco na cabeça. Ryan se virou pra socá-lo e Taylor segurou a sua mão, voltando-a pra trás. Ok, isso doeu.
— Você quebrou minha mão, idiota! — Ele disse gritando e gemendo de dor. Já havia uma roda de pessoas em volta.
— Agora você viu o que o cabeludo pode fazer, né? Imbecil. — Taylor disse. Tyler, em desvantagem, saiu mancando. O chute que dei não foi fraco, de fato.
Taylor se virou pra mim e tocamos as mãos.
— Valeu Josh. Se não fosse você eu tinha apanhado a bessa desses caras.
— Que isso cara, você arrasou também. Mas olha, isso vai dar problema...
— É, eu sei...
Dito e feito. Nessa hora o diretor chegou. Ajeitou os óculos no nariz e disse:
— Vocês, na minha sala. Agora. — Disse pra mim, Taylor e Van que se levantou com o rosto inchado. — Você vai pra enfermaria. — Ele disse pra Ryan que estava chorando de dor.
Eu e Taylor pegamos nossa mochila e fomos para a diretoria. Passei entre Sarah e Hayley, que me olhavam com espanto.
— Josh, — Taylor começou dizendo baixinho enquanto andávamos. — Tu não era amigo deles? Por que me ajudou? Você fazia direto isso com as pessoas também...
Isso de fato me fez refletir. Olhei pra mim mesmo, no passado. Lembrei-me de vezes que zoei nerds e anti-sociais com Ryan, Van e Tyler. Nossa, como eu fui idiota!
A imagem do dia que reencontrei Hayley com Jenna pela primeira vez me veio a cabeça. Eu realmente fui grosso com ela. Bem... talvez Hayley tivesse razão.
Eu fui um imbecil. Mas esse Josh se foi com a traição de Jenna. Sou outra pessoa hoje.
— Josh? — Taylor.
— Ah, desculpa. É que... essa tua pergunta me fez refletir...
— É, eu vi.
— Eu... não sou mais amigo deles. Eles são uns babacas.
— Bom saber. — Ele começou. — Menos um idiota no mundo. — Rimos.
— Tu é um cara legal, Benjamin. — Eu disse.
— Inacreditavelmente, você também. — Ele disse. — Agora seremos legais no castigo. Oba! — Ele disse fazendo falsa empolgação. Eu ri.
Chegamos a sala do diretor. Sussurrei “Deus, dai-nos sorte” o que fez ele rir.
Estranhamente, esse pode ser o começo de uma amizade.
Entramos. O senhor Smith estava com sua cara carrancuda, nos olhando.


[...]


Pov. Narrador

— Meu Deus. Eu não acredito no que eu acabei de ver. — Sarah disse para Hayley, que estava espantada.
— Nem eu... — Hayley disse pensativa.
— Eu esperava ver o mundo se acabar em gelatina antes de ver Josh batendo no trio, sério. — Jeremy disse e as garotas riram. (N/A: Não sei daonde tirei isso. Minha cabeça é estranha)
— Realmente, foi uma briga improvável. — Sarah concordou.
— Eu sou contra brigas, — Jeremy. — Mas Ryan, Van e Tyler mereceram a surra. Já tem tempo que eles zoam com garotos aqui, e ninguém nunca fez nada.
— Só um deles podia acabar com isso.
— Rebelações, por Josh. — Jeremy e Sarah riram. Hayley continuava pensativa.
Talvez eu estivesse errada sobre Josh.
Talvez ele não fosse tão idiota.
Talvez... ele fosse uma pessoa legal.
Mas com certeza ele beija muito bem. Ela pensou e balançou a cabeça negativamente. Oh Deus. Para de pensar no Farro, para de pensar no Farro, para de pensar no Farro.
— Hay?
— An... que foi?
— Você tá alta... longe...
— Acho que isso é falta de...
— SARAH CALA A BOCA. — Jeremy disse num pulo. — Você prometeu nunca mais fazer isso.
— É... desculpa. — Ele deu um sorriso de canto e abaixou a cabeça.
— Ok, é melhor parar mesmo com isso — Hayley disse bufando. — Eu não tô distante. Estou escutando vocês dois. Concordo com tudo. Taylor é uma pessoa legal, mexer com ele foi sacanagem mesmo.
Eles se despediram e foram para suas respectivas salas.
Hayley entrou na aula de química e se sentou no lugar de sempre. No lugar ao lado de Taylor, mas ele não estava lá.
A aula começou e Hayley se sentou com Dakotah, já que Josh e Taylor estavam na sala do diretor.
Estava concentrada em seu dever quando Taylor e Josh entram na sala. A professora nojenta, como Hayley gosta de chamá-la, apenas deixou-os entrar e disse que eles deveriam voltar para suas respectivas duplas. Josh bufou e colocou sua cadeira ao lado de Hayley.

Nenhum comentário:

Postar um comentário