17 de ago de 2013

Dica de sábado: Clarice Falcão



E aí, pessoal! Beleza? Como já sabem, sou a Samantha (Sah, Sam, Sasah...) e estarei com vocês aqui todos os sábados dando dicas e resenhando diversas coisas. Hoje, só para animar o meu sábado e me deixar mais ansiosa, falarei sobre a Clarice Falcão.  Espero que vocês curtam o post e fiquem um pouquinho curiosos para conhecer as coisas da linda Clarice. Simbora!


"Ei, se eu tiver coragem de dizer que eu meio gosto de você... Você vai fugir a pé? E se eu falar que você é tudo que eu sempre quis pra ser feliz... Você vai pro lado oposto ao que eu estiver?"
 

Com uma forma graciosa de escrever comédias trágicas – não sei se isso existe, mas não importa –, Clarice Falcão se jogou nesse mundo da música com um jeitinho único: diferente, suave e viciante.  Aliás, vindo da família que a pequena Clarice veio, já era de se esperar que ela tivesse algum tipo de talento. No fim das contas, ela viera até com talentos demais. Lembrarei de agradecer aos pais dela por serem amantes das artes e fazê-la ser também. O mundo é mais bonito com a Clarice, assumam.



"E aí, só nós dois no chão frio, de conchinha bem no meio fio, no asfalto riscados de giz. Imagina que cena feliz..."


Uma frase completamente irônica e trágica fica extremamente suave quando cantada pela Clarice e isso é o que a faz essa grande artista que é. Suavidade e ironia não é uma combinação muito comum, as pessoas procuram evitar por ser uma coisa totalmente anormal.  Mas talvez o anormal seja o mais novo bom. Não faz sentido, mas quem se importa? Conseguir escrever tragédias, dessa forma, e cantá-las não é um trabalho para qualquer um. A forma que a Clarice usa é totalmente inovadora e viciante. Para muitos as letras não fazem sentido pelo simples fato dela brincar com as palavras. 
Suas melodias também não ficam atrás, são calmas e tão suaves quanto sua voz, o que dá um "quê" a mais nas músicas, chamando a atenção.  

A propósito, deixe-me compartilhar: irei ao show da belíssima Clarice no dia 23 de agosto, no Circo Voador, no Rio de Janeiro.  Prometo contar detalhes disso para todo mundo. Juro. Vai ser um dia incrível e inesquecível, tenho certeza. Quando tiverem uma chance de ir a um show dela, vão. O meu dia ainda não chegou, mas tenho certeza de que vou adorar, então recomendo logo. Já posso me imaginar aos berros – e sendo a mais desesperada de todos presentes no show – e aos prantos enquanto ela toc a alguma música que eu me idenfique mais.  Clarice Falcão tem, definitivamente, um jeitinho único de fazer música e eu não vou cansar de repetir isso nunca. Não até mostrá-los que o diferente é o bom. As pessoas deveriam abrir mais a mente e procurar por mais músicas nacionais. Porque, olha, pessoal, não existe só (ex) bandinhas coloridas – flopadas, ops – e sertanejo. Sem preconceitos, por favor. Mas acho que os jovens de hoje deveriam focar um pouco mais na MPB. Sabe, ainda é algo bom. Sempre foi. MPB é uma coisa que, bah!, vai ser sempre bom. É um estilo musical – totalmente abrasileirado e que todos deveriam dar valor, a propósito – que traz calmaria e inspiração, falo sério. 



"Sem você, eu sumo. Eu morro de fome. Eu perco meu rumo. Eu fico menor. Eu tenho o seu gosto. Eu sou do seu jeito..."

Como todo artista, a Clarice também tem canções que falam sobre o amor – juro! – , relatando casos de casais. A que eu mais gosto é "Um só", a que botei ali em cima. Eu diria que todas – generalizando só para não ficar enumerando as músicas aqui – da Clarice falam sobre amor. Mas, afinal, que música não fala de amor, não é mesmo? Enfim. Gosto dessa música porque me faz bem. Me lembra pessoas importantes e isso é bom. Me distraio. As músicas da Clarice têm esse efeito. Você meio que viaja ou então fica rindo enquanto ouve. É uma experiência e tanto. 


"De todos os loucos do mundo eu quis você, porque eu tava cansada de ser louca assim sozinha. De todos os loucos do mundo eu quis você, porque a sua loucura parece um pouco com a minha..."

Agora cansei de escrever – sim, sou bem sincera mesmo, como a Sarinha já havia dito para vocês lá no twitter. Mil perdões, pessoal. Mas sabe como funciona inspiração, sim? Anyway. Só acho que todas as pessoas do mundo deveriam colocar o "Monomania" para tocar e fechar os olhos para se deixar levar pela suavidade e delicadeza das músicas, desfrutando de uma calmaria sem fim. 




Até semana que vem, guys. E não esqueçam: no próximo sábado virei para falar sobre o show da Clarice! 
Beijinhos! xx





Um comentário:

  1. Como já falei, simplesmente amei a resenha! Você descreveu lindamente o jeitinho único da Clarice, a suavidade combinada com o humor :333 E AGORA VOCÊ VAI NO SHOWWWW!!! Tenho muita inveja, mas ainda quero escutar cada um dos detalhes desse momento incrível! Divirta-se imenso e aproveite ao máximo ;)
    Beijão!

    ResponderExcluir