22 de set de 2012

Capítulo 23

I'm the one who loves you



Mas o que foi isso? — Josh perguntou perplexo. Ele não acreditava no que tinha acabado de presenciar. Ainda estava com raiva de Jason, e então Jenna chega com a mesma historinha de querer ele de volta, depois Hayley aparece do nada, ameaça Jenna e o beija. Ele estava realmente perplexo.
— Aquela vaca loira... — ela sussurrou olhando Jenna se distanciar. — ...você ainda tem coragem de falar com ela depois de tudo que ela te fez?
— Ela já chegou falando, e eu não devo satisfações a você. — Ele disse e riu. Hayley sentiu seu rosto queimar de raiva. — Deixa de ciúme bobo. Você não é minha namorada.
— Vai à merda. Eu não tô com ciúme de você.
— Não? Ahn, tá. Foi por que então que você ameaçou bater na Jenna? E ainda me beijou na frente dela?
— Por que vocês, homens, são seres inferiores. Ela, que é mulher, pode te domar e te deixar como um cachorrinho na dela. Eu só te protegi das garras do capeta.
— Homens, seres inferiores? Ah, tá.
— Quer um exemplo? Veja Isabelle. Ela tem a sua esperteza junto com a do Zac vezes dois.
Josh pensou um pouco. Ela estava certa. Belle era realmente muito esperta.
— Isso não muda o fato de você estar com ciúme de mim. — Ele deu uma risadinha.
Hayley bufou, virou as costas e saiu. Josh gargalhou.
O sinal bateu e cada um deles foi para a sua respectiva aula. A aula de Hayley era História. Ela se sentou no fundo da sala. E então, o garoto de cabelos grandes e castanhos entra na sala. Ao avistar Hayley, ele fez questão de sentar ao lado dela.
— Oi Hayley. — Ele diz se sentando.
— Ahn, oi Jason.
Eles ficam um tempo em silêncio. Hayley estava com raiva.
— Hm... História, agora, né?
— Uhum.
— Eu... não tenho a matéria, você pode me emprestar seu caderno depois?
— Ah, sim. Claro. — Ela sorri simpaticamente.
— Ahn... posso te fazer uma pergunta? — Jason parecia inquieto.
— Pode sim, ué.
— Quem é aquele cara, o que ele é seu?
— Foram duas. — Hayley lembra e os dois riem. — É o Josh. Ele não é nada meu. É só um... amigo.
— Amigo?
— É.
— Eu vi você discutindo com a garota e beijando ele.
Hayley sentiu o rosto queimar de vergonha. Ela nem tinha se dado conta do que tinha feito. Só beijou Josh para se ver livre da vac... Jenna.
— Er... eu...
— Vocês são namorados? — Ele pergunta cabisbaixo.
— Não! A gente só... fica junto de vez em quando.
— Ahn...
Nessa hora, o Professor chega.
A aula passa normal depois disso. Hayley e Jason fazem a lição juntos. Ele se mostra um cara bem legal, e não toca mais no assunto “Josh”. No final das duas aulas ela empresta seu caderno para ele.
Eles saem da escola e Hayley encontra Jeremy e Sarah. Jason caminha para outro lado. O estacionamento. Pega sua moto, para na frente do trio e levanta o capacete.
— Quer uma carona? — Ele pergunta sorrindo, se referindo a Hayley. Sarah abre a boca.
— Ahn, não. Obrigada. Eu... não posso andar de moto, meu pé.
— Hm... tudo bem, fica pra próxima.
— É. — Ela sorri.
— Tchau Hays. Tchau aí gente.
Eles retribuem o “Tchau” e Jason sai pilotando sua moto — que parecia ser bem cara —, e arrancando suspiros das mulheres e homossexuais do lugar.
— Putz. — É só o que Sarah diz.
— Ele é inteligente, estiloso, cheio de marra e tem uma moto. O que mais ele é?
— Californiano. — Hayley completa.
— Ah, mano. Fala sério. De Los Angeles?
— É. — Ela ri.
— Era só o que faltava um “senhor perfeição” nesse colégio.
— Falando de mim? — Taylor se aproximou com Dakotah nos braços. — Sei que sou perfeito, Jerm. Não precisa lembrar. — Ele disse piscando o olho esquerdo e Jeremy lhe deu um pequeno soco no braço.
— Tá andando demais com o Zac, Tay. — Hayley diz e todos riem.
— Mas sério, de quem vocês tavam falando?
— Jason Bynum. O garoto novo.
— Aquele feioso? Urgh, — Taylor fala e todos riem de novo.
Eles ainda conversam mais um pouco até que cada um segue para a sua casa.

[...]

— JOOOOOOOOOOOSH! — Uma fina voz ecoa pela casa. — JOOOOOOOOOSH, CADÊ VOCÊ?
— Calma Belle, tô no meu quarto. — Ele grita de volta.
A pequena pré-adolescente adentra seu quarto correndo.
— Me leva na casa da Erica?
— Ahn, deixa eu terminar aqui e eu te levo ok?
— Ok.
Isabelle olha com calma o que o irmão estava fazendo. Escrevia muito em um caderninho, e pensava.
— Compondo outra vez?
— Não... só... estou terminando meu dever de casa.
— Ah. — Ela diz e o silencio reina novamente naquele lugar. — Ô Josh.
— Que foi, Belle.
— Por que você e Hayley não namoram?
Josh parou bruscamente o que estava fazendo e olhou perplexo para a irmãzinha.
— Como é?
— Vou falar compassado só pra você entender: Por-que vo-cê e Hay-ley não na-mo-ram? —Ela diz revirando os olhos.
— Porque... porque... porque não, ué. — Ele diz nervoso e volta a escrever qualquer coisa. A pequena ri.
— Porque não? Qual é, Josh. Uma criança de 3 anos formularia uma resposta melhor do que essa sua. Tá na cara que vocês se amam.
— Belle, vai cuidar da sua vida. Você não entende nada.
— É aí que você se engana. Eu percebo quando um casal tem química, e fala sério, você e Hayley foram feitos um para o outro.
— Belle?
Ela ri.
— Porque, Josh?
— Ela é chata, e é orgulhosa, e é chata. — Ele diz revirando os olhos.
— Ela é bonita, é inteligente, tem personalidade, sabe tocar instrumentos, canta, se importa com os outros... Josh, fica esperto. Por que se você não ficar com ela... alguém vai aparecer e ficar.
— Quantos anos você tem mesmo?
— Quase dez. E idade não quer dizer nada. O que importa é a mentalidade.
— Ok, Belle, vamos até a casa da Erica?
— Vamos!
Ele ficou estupefato com a inteligência da criança. Lembrou-se automaticamente de Jason.
Pegou as chaves e saiu andando com sua irmãzinha.
— Ei Bel.
— Que foi? — A menina diz.
— Aquela história que você tava me falando... de alguém aparecer...
— AAAH, EU SABIA! VOCÊ TÁ APAIXONADO POR ELA! Eu sabia que você ia ficar assim e me perguntar! Josh, não se sinta envergonhado. Pode falar.
— Você me assusta, sabia?
Ela o olha enfurecida.
— Ok. Entrou um cara novo na escola, e eu tenho certeza que ele tá interessado nela... eu queria esfaqueá-lo e entregar seus restos mortais para os crocodilos, mas não posso...
Ela riu.
— O que você tem que fazer é ficar com ela antes dele.
— Como?
— Ficando, ué.
— Hm... ok, chegamos.
— Entra comigo, vai cumprimentar seu sogrinho.
— Belle, cala a boca. — Ele diz e revira os olhos.
Ela toca a campainha e Jessica atende. Quando as duas amigas se vêem, se abraçam fortemente. Josh entra com a cabeça meio baixa. Geralmente não visita a casa dos Williams, Zac leva Belle quase sempre.
— Hey, Josh, entre. — Joey diz. — Faça companhia para Hayley.
— Hayley está aí?
— Está sim.
— Ahn, eu tenho que ir... preciso...
— JOOOSH! VEM CÁ AGORA. — Isabelle grita, corre e puxa Josh para dentro da casa. — Ela tá aqui, e você vai falar com ela. Nem pense em fugir. — Ela sussurra. — Homens. — Revira os olhos.
Hayley estava lendo uma história para McKayla, que já tinha pegado no sono. Josh entrou na sala e viu Hayley lendo e a pequenina criança dormindo em seu colo.
— Parabéns. — Ele diz baixinho. — Ela dormiu.
Hayley sorri.
— Oi pra você também. — Eles riem. — Chama a Jessica pra mim? Colocar ela na cama.
— Tá bem.
Ele vai até a cozinha e avisa Jessica. A mulher pega a filha no colo sem acordá-la e leva ela para o quarto.
— Tudo bem? — Ele diz se sentando perto dela.
— Tudo sim... o que tá fazendo aqui?
— Vim trazer Belle.
— Ah, tá.
— Sabe aquela coisa que você me falou sobre meninas serem mais evoluídas? Você tava certa em relação a Belle.
Hayley riu.
— Viu? Eu tenho razão sempre.
— Sempre não.
— Lógico que sim!
— Não teve razão hoje de manhã, na aula de química.
— Sim, eu tive. Jason já estava lá quando eu cheguei. Só fui simpática.
— Caraca Hayley, você não vê que esse cara tá afim de você?!
— Claro que não, Josh! E outra, se estivesse, e daí? Eu tenho 16 anos, posso muito bem namorar quem eu quiser.
— Não pode não! Sabe por quê?
— Por quê?
— Por que sou eu que tem que ficar com você, droga! Sou eu que te ama desde a época em que éramos crianças. Sou eu, e não um moleque marrento que aparece com uma moto e um sotaque calirfoniano que acha que é dono do mundo! Sou eu, Hayley, e não ele que te ama de verdade. — Ele se aproxima dela. — Sou eu que te quer aqui. — E a beija.

Nenhum comentário:

Postar um comentário