20 de out de 2013

[Think About It] Uma mensagem para a Sarah de 19 anos



Reprodução / We ♥ It



Oi, meus amores! Nem acreditam que eu vou começar um post supostamente informal aqui hoje, NÉ?
Nah, menos, Sarah. Bem menos.
Eu sei, vocês já olharam lá em cima, viram o nome do post, querem saber do que se trata tudo isso e o motivo de eu continuar falando tanto de ~mim~ por aqui. A verdade é que THIS IS MY BLOG, BITCHIES, SO I CAN TALK ABOUT ANYTHING I WANT mentira, nem posso, mas quero abrir uma exceção. Isso porque eu acabei de ter uma ideia legal, assim, do nada, e acho que deveria dividir com vocês porque vocês são boas pessoas que eu amo e considero. Eu sei também que estou devendo toneladas de posts referentes a QUALQUER COISA QUE NÃO SEJA UM PENSAMENTO BOBO DA MINHA CABEÇA OU UM TEXTO REFLEXIVO, mas vocês me conhecem e eu nunca cumpro minhas responsabilidades.
Brincadeirinha. Semana que vem adianto algo útil pra vocês. E vocês sempre podem contar com a maravilhosa equipe (con) para saber de coisas legais!
De qualquer forma, para poder agrupar esse tipo de post sem-noção-mas-com-noções-de-vida em uma categoria só, eu criei o "think about it", que é basicamente um lugar onde eu postarei algumas bobagens desse estilo. 
Agora, vamos falar rapidinho sobre o nome deste blog e como o "contexto" se aplica às nossas vidas. Para isso, responda a três perguntas super-hiper-mega-master-práticas:
1ª - Quantos anos você tem? (AND I KNOW THAT A LADY NEVER REVEALS HER AGE mas esqueça isso por um tempo)
2ª - Como é a sua vida hoje?
3ª - O que o "você" de três anos atrás te diria?
A sua perspectiva de qualquer-coisa muda quando você é inserido em diferentes contextos e sob novas experiências e ideias, sabe? Você é como um personagem não-onisciente, você tem um só ponto de vista e, para continuar vivendo, você meio que precisa mudar de acordo com o seu contexto - físico, motivacional, virtual, social, sei lá, vivencial em si - muda.
Isso pode estar ficando confuso.
Simplificando: você está em constante mudança, por mais que ache (e, às vezes, você acha) que vai SEMPRE continuar com os mesmos costumes, crenças e amores. Isso muda porque a vida te garante experiências e garante experiências para as pessoas que te rodeiam. 
O ponto é: você é capaz de registrar essa mudança? 
Claro que é. Você pode muito bem olhar para quem você era no ano passado e pensar algo tipo, "puxa, como eu era idiota", ou "puxa, eu era feliz e nem sabia", ou qualquer variação dessas frases, só que sem o "puxa" no início das frases, porque só eu falo isso. Não importa.
Vamos só questionar essa sua ideia mais uma vez.
Você é realmente capaz de registrar a mudança que acontece com você? A longo prazo?
Nah, eu acho que não. Porque, sabe, você pode lembrar que o seu "eu" de três anos atrás não precisava se preocupar com vestibular, e tinha uma paixão platônica por um dos Jonas Brothers, e costumava ser muito dramático. Mas você lembra de como o seu "eu" de três anos atrás gostava de pentear o cabelo? E qual era a sua camiseta favorita? E o que te fazia mais feliz? E quais eram as suas principais ambições? E o que o seu "eu" de três anos atrás diria para o seu "eu" de agora?
Existem mil outras perguntas que você pode fazer a você mesmo, porque, oras!, quem sabe da sua vida não sou eu. Eu estava tentando pensar como a Sarah de 13 anos e me dei conta de que ela provavelmente estaria orgulhosa de mim, hoje. Se fosse se comunicar comigo, daria pulinhos de alegria por eu ter conseguido escrever um livro. E terminar as OAV's. E ir ao show do Paramore! Ela ficaria satisfeita, eu acho, em ver que eu me sinto mais confortável no meu corpo do que ela se sentia no dela. Talvez ficasse um pouco chateada em saber que as amigas dela na época mal falam comigo hoje. E, bem, talvez torcesse os lábios quando eu lhe contasse que o Marcus, irmão dois anos mais novo, agora é dez centímetros mais alto. E me contaria da vida dela. De como ela estava ansiosa para o fim do ano, quando viajaria com a turma durante três dias, para a formatura. Do Guilherme e de como ela tinha se apaixonado por ele. De como a Ana Lívia era uma péssima companheira de quarto e do quanto ela mal pode esperar para ter um só pra ela. De uma fic nova que ela achava que era a melhor coisa que ela já havia escrito. De como ela mal podia esperar ir para o ensino médio. E de muitas outras coisas que eram a vida dela na época, mas que agora só me trazem nostalgia, e um pouco de "ainda-bem-que-isso-passou" (acredito que esse sentimento tenha um nome, mas você entendeu).
Pensando sobre isso, eu fiquei ponderando o que eu diria para a Sarah de 19 anos. Pensar sobre ela me deixa animada. Faculdade, carteira de habilitação, semi-independência? Melhores habilidades no violão? Ainda escreve? Ainda lê tanto quanto eu, agora, com 16? Tá gostando do seu curso? Você continuou com a decisão de fazer Letras, não é? E o inglês? Namorando alguém? Quem são os seus amigos? E quem não são mais? Em quem você votou esse ano?
Se eu pudesse falar com ela, perguntaria tudo isso, com um brilho nos olhos. Talvez ela não me responda satisfatoriamente nem metade dessas perguntas, devo dizer, tal como eu provavelmente não responderia muito bem algumas perguntas da Sarah de 13 anos. Mas, aí, eu contaria um pouco da minha vida pra ela, pra que ela se lembrasse de como era ser eu, aos 16. É, segundo ano do ensino médio, cara. Nenhum cursinho. No money for that. Nem fiz ENEM, também, mas acho que vou me arrepender disso depois. Namorando o Daniel. Sofia ainda é minha melhor amiga e irmã e todo o resto. Sem muitos amigos, mas muitos colegas. Tentando acreditar no certo e lutar por isso - o que envolve algumas causas feministas, anti-homofóbicas, anti-racistas, anti-opressivas, anti-bullys, e mais um monte de "anti's" sobre os quais tenho orgulho de falar, de vez em quando. Tentando ser mais gentil. Mais humana. E, ao mesmo tempo, tentando passar menos tempo no Facebook, e não procrastinar todos os deveres do colégio. Escrevendo o segundo livro, teoricamente mais maduro que o primeiro, que eu nem sei, honestamente, se vai ser lançado pra variar. Não que eu me importe. O que vale é a experiência. 
Experiência. No fim, é a experiência que faz valer a pena. Sabe, pensando melhor, se a Sarah de 19 anos aparecesse para mim, agora, eu não lhe perguntaria nada. Eu lhe daria um conselho:
Aproveita, por favor, as experiências que a vida te dá. E não para de escrever sobre isso (mesmo que indiretamente) e deixar você mesma saber do quanto você muda conforme os anos vão passando. É bom se re-essensificar. De vez em quando. Põe um sorriso no seu rosto. E deixa a Sarah de 22 anos saber quem foi a Sarah de 19.

Reprodução / We ♥ It


HOMEWORK FOR YOU, KIDS! Mentira, vocês só fazem se quiserem. A ideia é: escrever, realmente, uma mensagem para o seu "eu" de três anos pra frente. Escreva o que você quiser. Pergunte, fale, ora, a vida e a mensagem são suas. Depois, guarde. Ou poste no Tumblr ou no seu blog pessoal, ou no seu Facebook, ou em qualquer rede/meio social que você queira. Agende um dia no ano de 2016 para você ler essa mensagem. Que não seja ano novo ou o seu aniversário, porque essas datas já são essencialmente nostálgicas e não precisam de um toque extra; é mais legal que seja um dia comum, sem significado. Faça um compromisso consigo mesmo e não leia a mensagem escrita até o dia em questão. E, aí, em 2016, você lê sua própria carta pra você e tenta se lembrar do que já foram seus valores e suas experiências imaturas. Vocês vão ver o quanto é gostoso mudar; e melhor: o quanto é gostoso perceber essa mudança. 
Muito amor, viu?, sempre ♥



4 comentários:

  1. Sinto que "think about it" será minha categoria favorita beijocas :33 Posso só dizer o quanto você é genial? O quanto tudo isso está mais que certo? O quanto você acabou de tocar em pontos super interessantes? Tipo, sei lá, o nosso crescimento enquanto pessoas? E esse é o tipo de homework que eu quero realmente fazer :333 Professores, tomem notas!
    (e mana, seu jeitinho de escrever continua sendo a melhor coisa)

    ResponderExcluir
  2. Ahhhhh vc é a melhor *o*

    Adorei a ideia e com certeza vou fazer o dever de casa sim! UHSAUSHASA

    hehhe

    Beijão

    http://agarotaeotempo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. já estava pensando no quanto vc adoraria essa categoria, irmã UAHUAHUAHA e pls, VC é genial (: e obrigadaaaaaa!!!!!!!!!!!!! vc é linda a melhor pessoa ok? ok. E EU QUERO QUE VOCÊ FAÇA TOTALMENTE PLS. vou fazer o meu também e a gente pode até ler juntas *---------*
    (te amo)

    ResponderExcluir
  4. não, você é a melhor UAHUAHA
    faça!!! me faz feliz saber disso *u* a ideia é legal. eu queria ter tido a ideia quando eu era criança pq ia ser legal reler meus pensamentos daquela época, eu mal me lembro, na verdade :\

    obrigada, viu, linda? lots of love ♥

    ResponderExcluir