27 de ago de 2013

[RESENHA] Coraline, de Neil Gaiman


Título Original: Coraline

Editora: Rocco
Autor: Neil Gaiman
Ano: 2002
Páginas: 160

A história de Coraline é de provocar calafrios. A narrativa dá muitas voltas e percorre longas distâncias, criando um ‘outro’ mundo onde todos os aspectos de vida são pervertidos e desvirtuados para o macabro. Ao mesmo tempo sutil e cruel, o autor gosta de desafiar as imagens simples dos livros infantis tradicionais. No livro, a jovem Coraline acaba de se mudar para um apartamento num prédio antigo. Seus vizinhos são velhinhos excêntricos e amáveis que não conseguem dizer seu nome do jeito certo, mas encorajam sua curiosidade e seu instinto de exploração. Em uma tarde chuvosa, a menina consegue abrir uma porta que sempre estivera trancada na sala de visitas de casa e descobre um caminho para um misterioso apartamento ‘vazio’ no quarto andar do prédio. Para sua surpresa, o apartamento não tem nada de desabitado, e ela fica cara a cara com duas criaturas que afirmam ser seus “outros” pais. Na verdade, aquele parece ser um “outro” mundo mágico atrás da porta. Lá, há brinquedos incríveis e vizinhos que nunca falam seu nome errado. Porém a menina logo percebe que aquele mundo é tão mortal quanto encantador e que terá de usar toda a sua inteligência para derrotar seus adversários. 

"Coraline acaba de mudar para um apartamento numa casa antiga, com 22 janelas e 14 portas. Treze portas abrem e fecham, sem problemas. A décima quarta abre para uma parede de tijolos ou para um corredor escuro e gelado, conforme a hora e a ocasião."
Você já cansou de seus pais? Ah, vamos falar sério. Todo mundo cansa uma hora ou outra. Não quero dizer aquela coisa de odiá-los eternamente e nunca mais querer falar com seus próprios pais. É apenas algo como querer ficar um tempo longe deles ou apenas um tempo a mais com eles. Coraline se vê nessa situação. Seus pais estão ocupados com a mudança e o emprego, e, em seus poucos 12 anos de idade, Coraline precisa de atenção. Ela acaba criando uma certa "rebeldia"  para chamar a atenção de seus tão amados pai e mãe. E, por criar essa rebeldia, acaba sendo castigada.

Coraline ama explorar. É sua coisa preferida, estando triste, feliz, brava ou assustada. Ela sempre quer explorar mais e mais. Coraline acaba sendo castigada por sua mãe, e, a primeira coisa que vem em sua mente é explorar. Como sua família recém havia se mudado para esse apartamento, Coraline ainda não tinha visitado todas as peças do mesmo. Seu pai a mandou contar quantas janelas e portas haviam para matar o tempo do castigo. Nessa contagem, Coraline descobre uma porta que leva à um mundo perfeito e exatamente igual o dela só que melhor. Lá, seus pais dão toda a atenção do mundo para ela e fazem todas as suas vontades. Eles fazem seu prato preferido toda noite e dão qualquer coisa que ela pedir. Coraline fica maravilhada com esse mundo novo e perfeito.

Com o tempo, o mundo perfeito se mostra não tão perfeito assim até por quê a única coisa perfeita nesse mundo é Magnus Bane. Coraline se vê obrigada a fazer uma escolha. Ela pode ficar para sempre nesse mundo perfeito com todas as coisas que sempre sonhou ou terá que voltar para sua monótona vida com pais entediantes. Agora pare, caro leitor. O que você escolheria? "A vida perfeita, é óbvio!", você provavelmente respondeu. Só que tudo tem um preço. O preço da vida perfeita, para Coraline, eram seus olhos. Isso mesmo, seus olhos. Ela teria que dar seus olhos para sua mãe-perfeita e deixá-la costurar botões em seu lugar — algo que, casualmente, todos os habitantes do mundo perfeito fizeram.

O livro Coraline está classificado como um livro infantil, mas eu nunca o classificaria como tal — a menos que a criança seja o Tim Burton. Ele dá bastante medo em algumas cenas e as ilustrações podem te render pesadelos. Super recomendo! Se você gosta de terror mas morre de medo de tudo, Coraline foi feito pra você. Não é o terror mais pesado do mundo, porém alguns calafrios serão retirados de sua experiência.

Nota:


4 comentários:

  1. Assisti o filme baseado nesse livro e ache muito bom (este é um dos meu filmes preferidos :D), mas ler o livro me parece ser beeeeeem melhor! Tem tantos livros que eu quero... se eu acrescentar mais esse aí é que eu não ganho nenhum :( MAS, enfim, amei a resenha e quero ler Coraline.
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  2. Eu li esse livro quando tinha 13 anos que peguei na biblioteca da escola por indicação de uma amiga! Achei muuuuuuuuuuuuuito legal!!!

    Fiquei sabendo que tem um filme, mas ainda não vi.

    Adorei o livro, muito bom e realmente tem coisas que dão um pouquinho de medo

    hehehe

    Adorei o post!

    Beeijo

    http://agarotaeotempo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Wesley Lautenschlaeger30 de agosto de 2013 07:00

    Olá! ^^
    É, realmente, um dos melhores livros que já li, tanto pelo enredo quanto pelos personagens e pelo ritmo da leitura... O filme não é lá grande coisa, pois acabou fantasiando demais - como, por exemplo, colocando um Coraline de cabelos azuis.
    Medo, medo e medo! Eu fiquei um pouco perturbado com algumas partes, mas isso é que é legal, haha :3
    Obrigado! Beijão <3

    ResponderExcluir
  4. Wesley Lautenschlaeger30 de agosto de 2013 07:01

    Oi Vic! :3
    O filme é um pouco fantasioso em relação ao livro, mas ainda assim é muito legal! Eu amei a animação stopmotion, e me surpreendi ao saber que todo o fime foi feito com massinha de modelar - isso mesmo!
    O livro é um pouquinho mais.... digamos... medonhento -q Dá um medinho aqui e ali, mas não é muita coisa.
    Obrigado! Beijão <3

    ResponderExcluir